Descubra as habilidades que os profissionais precisam colocar em prática para atuar com as tendências de 2020, como a resiliência cibernética

“Resiliência” é uma das palavras que a gente mais ouve falar hoje em dia. Na física, o termo refere-se à capacidade que alguns materiais possuem de acumular energia quando submetidos à pressão e, depois de absorver o impacto, voltar ao estado original sem deformação, como se fossem um “elástico”.

Já no comportamento humano, a resiliência é a habilidade de superar adversidades sem ser afetado por elas de modo negativo e permanente. Ou seja: a pessoa resiliente consegue lidar com dificuldades, adversidades e até mesmo eventos traumáticos. Em pouco tempo, retoma seu funcionamento otimizado e, muitas vezes, transforma a experiência em um aprendizado enriquecedor.

Ultimamente, a expressão passou a fazer parte do universo tecnológico. É o caso da ciber-resiliência. Você já ouviu falar?

Também chamado de resiliência cibernética, o conceito está ligado a como uma organização pode sobreviver e continuar operando bem diante de um ataque virtual, por exemplo.

O tema está ganhando cada vez mais destaque no meio corporativo, especialmente agora, com o grande crescimento do home office. Um estudo divulgado recentemente revela, inclusive, que a ciber-resiliência é uma das tendências para o ano de 2020.

Segundo o trabalho realizado pelo Observatório Fiesp, a súbita mudança dos expedientes presenciais para o teletrabalho resultou em brechas para muitas empresas que não contaram com tempo suficiente para preparar a migração.

Diante da demonstração de tamanha fragilidade, a ciber-resiliência começou a ocupar espaço nas discussões sobre planejamento, investimento e retomada dos negócios.

Aplicada a diferentes contextos, a resiliência é uma habilidade essencial para gestores e times de trabalho como um todo. Não à toa, ela integra o que chamamos de PsyCap, ou capital psicológico.

 

Mas, afinal, o que é capital psicológico positivo?

O PsyCap pode ser definido como um estado psicológico positivo de desenvolvimento, caracterizado por quatro elementos resumidos pelo acrônimo HERO (ou “herói”, em inglês), que significa:

Hope (esperança)

Efficacy/self-efficacy (eficácia/autoeficácia)

Resilience (resiliência)

Optimism (otimismo)

 

Na prática, esse estado de desenvolvimento psicológico positivo do indivíduo é caracterizado por:

  1. Ter confiança (autoeficácia) para assumir desafios e despender o esforço necessário para ser bem-sucedido em tarefas desafiadoras.
  2. Fazer uma atribuição positiva (otimismo) em relação ao sucesso no presente e no futuro.
  3. Perseverar ao perseguir objetivos e, quando necessário, redirecionar os caminhos que levam eles, a fim de alcançar o sucesso (esperança).
  4. Quando afligido por problemas e adversidades, manter-se firme e retornar ao estado original, ou mesmo ir além (resiliência) para chegar ao sucesso.

 

4 habilidades que todo profissional precisa dominar

As quatro capacidades psicológicas positivas que compõem o capital psicológico positivo não são apenas somadas umas às outras, mas interagem em uma relação dinâmica e sinergética, na qual o todo é maior que a soma de suas partes.

Isso quer dizer que o PsyCap não apenas incorpora as características positivas da esperança, autoeficácia, resiliência e otimismo, mas também as potencializa.

Veja um exemplo de como isso pode acontecer:

Primeiro, a esperança estimula iniciativas e caminhos para superar adversidades e ser mais resiliente.

Com mais resiliência, a pessoa torna-se mais flexível e adaptável, o que aumenta seu otimismo.

O indivíduo otimista, então, interpreta os eventos e os resultados de suas ações de modo positivo, elevando, assim, sua autoeficácia.

E, por fim, ao elevar sua autoeficácia, a pessoa aumenta, também, sua capacidade de transferir a esperança, o otimismo e a resiliência para tarefas específicas em áreas de sua vida.

As habilidades que todo profissional deve dominar podem ser explicadas da seguinte forma:

  • Esperança: ter a força de vontade e os caminhos para alcançar os próprios objetivos. É o estado emocional positivo que se materializa na força de vontade para alcançar metas e planejar a forma de alcançá-las.
  • Autoeficácia: significa ter confiança em si mesmo, crer nas próprias capacidades o que o leva a agir, fazer esforço para conseguir seus objetivos. O indivíduo que acredita ser capaz de ter sucesso ao lidar com um grande desafio exercerá grande esforço para superá-lo.
  • Resiliência: capacidade de recuperar-se da adversidade, do fracasso e de eventos negativos, o que implica em ter flexibilidade, ajuste emocional, adaptabilidade e resposta contínua à mudança.
  • Otimismo: enxergar os desafios tendo em mente a sua capacidade de superá-los. O otimista consegue manter o controle de sua vida, superando as dificuldades sem se vitimizar.

 

Benefícios de investir no capital psicológico

Quando dominam essas quatro habilidades, as pessoas ficam mais preparadas para desempenhar diferentes atividades no ambiente organizacional e usá-las a seu favor nos mais diversos projetos. Entre eles, claro, as estratégias de segurança contra ameaças cibernéticas.

Sendo assim, quando se fala em ciber-resiliência, é preciso considerar não apenas investimentos em tecnologias inovadoras, como inteligência artificial, deep learning e blockchain.

Mas, também, no capital psicológico positivo, que, sem dúvida nenhuma, é o ativo mais importante nas empresas nesta era do conhecimento. Afinal, a soma dos capitais psicológicos daqueles que trabalham nas organizações influi diretamente nos resultados.

E os ganhos não param por aí! Segundo pesquisas, o PsyCap está relacionado à redução do absenteísmo, aumento da retenção, da satisfação com o trabalho e do comprometimento, e maior incidência de comportamentos de cidadania organizacional.

Estudos da pesquisadora da International Excellence Business School (IE University), Cristina Simón, demonstram uma relação direta entre o nível de capital psicológico de um profissional e o seu rendimento na empresa.

Um grande levantamento sobre os efeitos do capital psicológico positivo nas organizações revelou que um baixo PsyCap está relacionado à ausência premeditada, insatisfação no trabalho e falta de comprometimento com os objetivos da empresa.

Por outro lado, um alto PsyCap está ligado à melhoria da saúde, motivação, comprometimento e desempenho, sugerindo a sua importância potencialmente ampla na compreensão do comportamento organizacional.

 

Aprenda a desenvolver o PsyCap

Se você é líder, todos os passos a seguir podem ser cumpridos a distância com seu time, em um encontro virtual.

Caso não seja gestor, você pode compartilhar esse texto com seus colegas ou, até mesmo, pensar individualmente em cada tópico a partir da sua rotina de trabalho.

 

PASSO 1 – Valorize o sucesso de sua equipe

Reúna o time para conversar sobre um objetivo alcançado:

  • O que deu certo?
  • Por quê?
  • Qual foi a contribuição de cada um?
  • Quais foram os aprendizados?

 

PASSO 2 – Desenvolva os pontos fortes

Investigue quais são os pontos fortes de cada membro do time:

 

  • De que modo essa combinação de forças está sendo aproveitada?
  • De que como essa combinação de forças pode ser melhor aproveitada?
  • Foque o uso das forças no processo de alcançar os objetivos do time.

 

PASSO 3 – Segmente objetivos

Analise os objetivos do time:

 

  • Eles são motivadores, desafiadores e viáveis?
  • Estão segmentados em metas de curto prazo?

 

PASSO 4 – Identifique caminhos e recursos alternativos

Reúna o time para discutir os objetivos da equipe, como:

 

  • Obstáculos que podem surgir no processo de alcançar esses objetivos.
  • A antecipação de possíveis soluções e o desenvolvimento de um plano para adotá-las.
  • Se necessário, inclua o desenvolvimento de habilidades entre as soluções.

 

PASSO 5 – Aborde os problemas com base em fatos

Converse com os membros do time sobre os desafios que eles estão enfrentando para atingir os objetivos da equipe.

Aborde os problemas com base em fatos.

 

PASSO 6 – Aumente seu impacto positivo

Verifique: em uma escala de 1 a 5 (sendo 1 muito baixo e 5 muito alto), como você avaliaria neste momento o seu próprio capital psicológico positivo.

Avalie cada um dos elementos que o compõe:

Meu nível de autoeficácia é…

Meu nível de esperança é…

Meu nível de resiliência é…

Meu nível de otimismo é…

Se você apresentar baixos níveis em um ou mais elementos, reflita por que isso está acontecendo e o que precisa ser feito para elevá-los.

Também pense a respeito:

  • Como líder, você tem sido um modelo positivo para seu time? Dê exemplos concretos.
  • Que impacto você exerce sobre seu time? Quais são os seus comportamentos e atitudes que contribuem para motivar e inspirar seus liderados?
  • Quais são os seus comportamentos e atitudes que podem estar causando um impacto negativo no time? O que você pode fazer para mudá-los?
  • De que modo você está usando suas forças para causar um impacto positivo no time?
  • Como é possível tornar esse impacto positivo ainda mais poderoso?

Curtiu o artigo?

Agora que você conheceu um pouco mais sobre as quatro habilidades que compõe o capital psicológico, que tal colocá-las em prática no dia a dia do seu trabalho?

 

Quer saber mais sobre o assunto? Então confira meu programa PositivaMente no Spotify e Youtube, que vai ao ar toda 2ª. feira às 20h.  

 

👇 Acompanhe as minhas Redes Sociais 👇

Instagram
Facebook
LinkedIn
Site

Seguir e compartilhar: